O processo de aprendizagem na perspectiva de Jean Piaget

Jean William Fritz Piaget, nascido em 9 de agosto de 1896, em Genebra, morreu em 16 de setembro de 1980, foi biólogo, psicólogo e filósofo suíço, considerado um dos maiores pensadores do século XX. Dedicou-se a observação científica do processo do conhecimento humano a partir da infância. Foi professor de psicologia, se tornou conhecido por sua revolução epistemológica, escreveu mais de cinquenta livros e diversos artigos.

O presente artigo tem como objetivo trazer uma breve análise de como Piaget, concebe a construção do conhecimento e algumas implicações dessa concepção, ele se dedicou aos estudos sobre o desenvolvimento humano em todos os seus aspectos a partir da infância.

A teoria epistemológica genética construída por Piaget tem como referência o conhecimento científico (epistemologia) e a gênese, ou seja, a origem desse conhecimento (genética).

Observando seus próprios filhos e outras crianças, Jean Piaget, estudou, avaliou e concebeu a teoria cognitiva, que propõe a existência de quatro estágios de desenvolvimento cognitivo do ser humano.

Seus estudos se dá no desejo de compreender o ser humano a partir da infância em todas as suas formas; ele identifica que o indivíduo passa por quatro estágios de desenvolvimento cognitivo, sendo eles:

  •  Sensório-motora: Nascimento até cerca de 2 anos – Neste estágio, a criança aprende sobre o mundo através de experiências do seu contexto e suas vivencias, manipula objetos e passa a reconhecer seus sentidos. Entende que há existência de algo ainda que se não veja.
  • Fase pré-operacional: De 2 a 7 anos – Ocorre o desenvolvimento da criatividade, imaginação, memória, estrutura mental e sabe diferenciar o espaço de tempo.
  • Fase estágio operacional concreto: 07 a11 anos. Nesse estágio a criança compreende a necessidade do outro, aprende a ter empatia, aprecia o relacionamento e seus sentimentos. Piaget entende que neste estágio a criança aprende a resolver seus conflitos de maneira não apenas externas mais também internas, avaliando seus sentimentos.
  •  Estágios operacional formal: 11 anos ou mais – Esse estágio começa aos 11 até a fase adulta. A partir daí o indivíduo aprende a ser racional, resolver problemas, a planejar e ver o mundo com mais autonomia, sabendo avaliar novos conhecimentos com o que já conhece, e se adapta a novas ideias.

PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO: ASSIMILAÇÃO E ACOMODAÇÃO

Segundo Piaget a aprendizagem só se dá com a desordem e ordem daquilo que já existe em cada sujeito. É necessário ter contato com o difícil, com o incomodo para desestruturar o já existente e logo em seguida estruturá-lo novamente.

Os processos de transformação: assimilação e acomodação:

 Segundo Piaget o desenvolvimento cognitivo, que é a base da aprendizagem, se dá por assimilação e acomodação.

        Desequilíbrio → Assimilação → Acomodação → Equilíbrio

                                        Esquema :

Antigo                        Adaptação                          Novo Esquema

A assimilação é o processo de adaptação do   indivíduo onde ele incorpora os novos conhecimentos as estruturas cognitivas que já possui. (1977), a assimilação é tomada como a capacidade de o sujeito incorporar um novo objeto ou ideia a um esquema, ou seja, às estruturas já construídas ou já consolidadas pela criança.

O conhecimento é um processo, que se dá por assimilação e acomodação, que são ferramentas onde na assimilação o sujeito incorpora uma nova ideia a um conhecimento já existente; na acomodação o pensamento se modifica a partir do novo conhecimento o que leva a um equilíbrio entre os dois processos, a assimilação que traduz, estabilidade a acomodação que traduz, novidade e mudança.

Nesse processo expressa o que Piaget indicou, ao afirmar que não a gênese sem estrutura, nem estrutura sem gênese. Esses conceitos revoluciona o entendimento sobre o desenvolvimento infantil

Essencialmente, para o equilíbrio. Da mesma maneira que um corpo está em evolução até atingir um nível relativamente estável – caracterizado pela conclusão do crescimento e pela maturidade dos órgãos, direção de uma forma de equilíbrio final, representada pelo espirito adulto. O desenvolvimento, portanto, é uma equilibrarão progressiva, uma passagem contínua de um estado de menor equilíbrio para um estado de equilíbrio superior (PIAGET, 1983, p.11).

Referências Bibliográficas: