Conjunções Subordinativas

É o  termo conectivo  que une frases, orações e parágrafos, relacionando-se com coesão e coerência textual, trazendo sentido ao enunciado.

Exemplo:

As conjunções podem ser coordenativas e  subordinativas. 

Conjunções coordenativas.

Exercem a função de unir dois termos que possuem a mesma função gramatical, são independentes pois não perdem o sentido quando  as conjunções são retiradas.

Elas se apresentam divididas em cinco tipos:

Conjunções aditivas são conjunções coordenativas que apresentam uma adição. As conjunções coordenativas aditivas ligam duas orações em que a segunda oração apresenta um acréscimo da ideia iniciada na primeira oração: ainda, que nem, mas também, como também, bem como.

Conjunções Adversativas: Passam uma ideia de oposição, porém, contudo, entretanto, mas, todavia.

Conjunção Alternativas: São aquelas que passam a ideia de uma escolha de pensamento ou  ideia. Ex: portanto, em fim, por isso, por consequência, ora que, talvez.

Conjunção Conclusiva :  São aquelas que expressam uma uma ideia de fechamento de pensamento ou ideia: Logo, portanto, por conseguinte, portanto, então.

Conjunção Explicativa : Une duas orações a qual uma explica ou justifica a anterior.

Conjunções Subordinativas são os termos que unem  duas orações dependentes. Pois não possuem sentido sozinhas.

As conjunções Subordinativas são:

Conjunções subordinadas adverbiais.

  • Causais;

São as que iniciam uma oração subordinada que detona a causa.

Mais assíduas:

  •  “Porque, pois, por isso que, uma vez que, já que, visto que, que, porquanto, etc”

Ex.: Os meninos arrumaram confusão porque os pais não conversam com eles.

  • Concessivas: São as que indicam uma relação de adversidade, contra  à ação principal. 

Mais assíduas:

  • “Embora, ainda que, por pouco que, quando, etc.

Ex: Mesmo que ela não queira, nós iremos.

  • Condicionais: São aquelas que iniciam a oração indicando a ideia de condição.

Mais assíduas:

  • “Se, a menos que, caso,  contanto que, desde que, etc”

Ex: Se, eu o visse novamente o perdoaria.

  • Conformativas

São aquelas que começam uma oração indicando que se encontra conformado com a ideia da oração principal.

Mais assíduas:

  • “Conforme, segundo, como, consoante.”

         Ex: De acordo com meus resultados, serei bem sucedido.

  • Consecutiva: São aquelas que apresentam uma oração, que indica uma consequência ao que foi falado na oração anterior. 

que ( precedido de tal, tão tanto, tamanho), sem que, de modo que, de forma e etc.

Mais assíduas:

  • “Tal, tamanho, quanto, tão ( em uma oração, que indica a sequência do que foi declarado). 

Ex: Ele é tão inteligente, que não consigo entendê-lo

  • Comparativas: Inicia uma oração com o objetivo de realizar uma comparação, com o que foi dito em outra oração.

Mais assíduas:

“Mais, menos, menor, maior, melhor, pior, seguidas “de que”  ou “ de que”, Qual depois de tal, quanto depois de tanto, etc.

 Ex: Maria alcançou melhores resultados do que Ana.

  • Finais: Inicia  uma oração subordinada, que indica a finalidade da oração principal. 

Mais assíduas:

“ Para que, a fim que”

Ex: Estudo, com o objetivo de passar em um concurso.

  • Proporcionais: São as que iniciam uma oração, cujos fatos ocorrem no mesmo espaço de tempo da oração seguinte.

Mais assíduas:

  • “ À medida que, à proporção que”.

Ex: À medida que os filhos cresceram, os problemas aumentaram.

  • Temporais: São as que indicam uma ação subordinada às circunstâncias do tempo.

Mais assíduas:

“Quando, antes que, depois que, até que, logo que, sempre que” etc. 

 Ex: Desisti de tudo assim que ficou definida a situação.

Conjunções subordinadas  Substantivas 

  • Integrantes: São orações que atuam como um substantivo na frase, desempenhando função de sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, predicado nominal e aposto.

Mais assíduas: 

  • Que e se

Ex.: Já sabemos que você irá embora amanhã.