Depressão na infância

Foto por Matheus Bertelli em Pexels.com

É muito comum não se levar em conta que na infância pode ocorre angustias, sentimento de frustação e a depressão. Sendo que em geral os sintomas que aparecem na infância é diferente quando o mesmo ocorre com os adultos; as causas também estão relacionadas a diferentes fatores, embora muitos estudiosos acreditem que não há um fator especifico, através de estudos e pesquisas é possível identificar que pode estar relacionado a fatores biológicos, psicológico, social e ambiental.

Dentro dos aspectos biológicos correspondem ao fator da hereditariedade. Os aspectos psicológicos geralmente se relacionam a traumas ocorridos na infância como negligência, violência doméstica, Bullyngs, separação dos pais, morte de pessoa próxima entre outras situações. No aspecto social e ambiental, estudos revelam que um lar desestruturado ou má condição de vida podem desenvolver um quadro depressivo.

É necessário sensibilidade e atenção para identificar sinais que indicam o início de um quadro depressivo. Sendo eles: Insônia, Inquietude, agressividade, nervosismo sem motivo aparente, isolamento, ausência do desejo de realizar atividades que outrora era agradável, sentimento de culpa, baixa autoestima, medo, ansiedade, sentimento de rejeição , dificuldade na aprendizagem, pensamentos negativos, falta de empatia entre outros.

A partir do momento que houver mudanças de comportamento de forma significativa acompanhadas de alguns dos sintomas deve-se procurar acompanhamento adequado com profissional da área.

Segundo o psiquiatra Fernando Fernandes depressão e transtorno bipolar são doenças que pode ocorrer tanto no adulto quanto na infância, e que são recorrentes em 0.3% a 0,9% em pré-escolares, 2% na idade escolar e 5% em adolescentes. Hospitalizados Crianças: 20 % e adolescentes: 40%.

Cada quadro de depressão deve ser acompanhado individualmente levando em consideração as caracterizas de cada quadro.

A criança deverá ser observada pois em geral ela não sabe discernir o que é angustia e depressão. É necessário sensibilidade para identificar as possíveis mudanças de forma precoce para se realizar o devido acompanhamento.

Referência Bibliográfica: