Grandes nomes “Emilia Ferreira”

“Alfabetizar é cada vez mais uma tarefa difícil”

Emília Ferreiro

Emília Beatriz Maria Ferreiro Schavi, nascida em cinco de maio de 1936, na Argentina.

Foi psicóloga e pedagoga. Em 1970, trabalhou como pesquisadora assistente de Jean Piaget, em 1971 formou um grupo de pesquisa sobre alfabetização e publicou sua tese de doutorado “Les relations temporelles dans le langage de l’enfant. Em 1977 lecionou na faculdade de Genebra.

Em 1974 desenvolveu na Universidade de Buenos Aires uma série de pesquisas com crianças tendo concluído seus estudos e expôs suas conclusões na obra psicogênese da língua escrita, juntamente com a pedagoga Ana Teberosky.  Atualmente é professora titular do centro de investigação e estudos avançados do Instituto Politécnico Nacional, da Cidade do México, onde vive.

Em suas pesquisas:

  • Analisou e desenvolveu os mecanismos pelos quais as crianças aprendem a ler e a escrever.
  • Trouxe revolução à maneira de analisar a alfabetização e a partir dos anos 90  influenciou a nação brasileira com um novo pensar sobre alfabetização.
  • No doutorado com Jean Piaget focou seus estudos em investigações no estudo sobre a escrita e o construtivismo.
  • Tão grande foi relevante a sua obra que influenciou os educadores brasileiros, que até os parâmetros curriculares  são baseados em seus estudos.
  • Foi responsável por inverter a lógica tradicional de educadores, que até então, se preocupava com a aprendizagem quando os alunos não aprendiam o conteúdo.

Trabalhos Publicados:

  • 1982 – Nuevas perspectivas sobre los procesos de lectura y escrita (com Margarita Gómez Palacio), resultado de pesquisa com mais de mil crianças em que distingue oito níveis de conceitualização da escrita.
  • 1985 – Proceso de alfabetización. La alfabetización en proceso.
  • 1986 – Los sistemas de escritura en desarrollo del niño, publicada no Brasil com o nome de A Psicogênese da Língua Escrita.
  • 1989 – organiza e edita “Los hijos del analfabetismo” e Propuestas para la alfabetización escolar en América Latina, livro  que reúne experiências de alfabetização, realizada na Argentina, no Brasil, no México e na Venezuela. Citações de Emilio Ferreiro

Citações de Emilio Ferreiro

> “Nenhuma criança chega à escola ignorando totalmente a língua escrita. Elas não aprendem porque veem e escutam ou por ter lápis e papel à disposição, e sim porque trabalham cognitivamente com o que o meio lhes oferece.”

> “Para aprender a ler e a escrever é preciso apropriar-se desse conhecimento, através da reconstrução do modo como ele é produzido. Isto é, é preciso reinventar a escrita. Os caminhos dessa reconstrução são os mesmos para todas as crianças, de qualquer classe social.”

> O processo de alfabetização nada tem de mecânico do ponto de vista da criança que aprende. A criança constrói seu sistema interativo, pensa, raciocina e inventa buscando compreender esse objeto social complexo que é a escrita. “

> “As crianças não precisam atingir uma certa idade e nem precisam de professores para começar a aprender. A partir do nascimento já são construtoras de conhecimento. Levantam problemas difíceis e abstratos e tratam por si próprias de descobrir respostas para elas. Estão construindo objetos complexos de conhecimento. E o sistema de escrita é um deles.”

> “Eles aprenderam a usar a internet sozinhos e rapidamente, sem instrução escolar nem para escolar. Eles conhecem essa tecnologia melhor que os adultos — os alunos sabem mais do que seus mestres. Essa é uma situação de grande potencial educativo, porque o professor pode dizer: “Sobre isso eu não sei nada. Você me ensina?” A possibilidade de uma relação educativa realmente dialógica é fantástica.”

Referências Bibliográficas:

  1. Olha, ainda mais em tempos de quarentena, digo-te que duas simples atitudes funcionam bem para que eu possa espantar esta…