Jussara Hoffmann e a avaliação mediadora

Jussara Maria Lerch Hoffmann, nasceu em Bagé, Rio Grande do Sul, estudou no colégio Nossa Senhora do Bom Conselho em Porto Alegre. Graduou-se em Letras pela UFRGS e realizou seu mestrado em Educação/Avaliação. Foi professora primária, professora do ensino médio e  coordenadora pedagógica do Colégio  Bom Conselho e da escola pública de Porto Alegre .

Graduou-se na (UFRGS) Universidade Federal do Rio Grande do Sul , dedicou-se seus estudos e pesquisas em educação infantil  e avaliação mediadora. Aposentou-se como professora adjunta em 1996.

Fundou a Editora Mediação onde desempenha a direção até os dias de hoje. É responsável pela seleção de obras, projeto editorial e revisão técnica com mais de 150 obras editadas. Jussara escreveu diversos livros, artigos e pesquisas.

Jussara Hoffmann é um dos nomes mais conhecidos como especialistas em avaliação da aprendizagem do país. De acordo com ela avaliar na concepção avaliadora significa:

  • Possibilitar aos alunos expor suas ideias e criatividades.
  • Criar debates a partir de uma situação problema, com o intuito de fazer que os alunos avaliem prováveis soluções. 
  • Oportunizar aos alunos tarefas individuais, procurando ouvi-los e valorizar as suas ideias.
  • Realizar debates sobre as tarefas dos alunos identificando dificuldades e  realizando conversas tendo como objetivo levá-los a observar falhas e analisar melhores soluções.
  • Favorecer ao aluno a construir um aprendizado significativo.
  • Transformar os registros de avaliação, em anotações significativas, sobre o acompanhamentos dos alunos em seu processo de construção do conhecimento.

Na escola a avaliação ocorre devido a necessidade que o professor têm em verificar a assimilação dos conteúdos estudados pelos alunos. a avaliação não ocorre apenas além de se avaliar se as metodologias utilizadas têm alcançado os objetivos necessários. Todavia a avaliação é algo constante dentro do processo escolar, sendo realizado não apenas com testes ou provas, mas também com observação, desenvolvimento, autonomia, desempenho e participação.

Mas o que é avaliação?

Ao longo do tempo avaliar têm tido diversos olhares e conceitos.

Avaliar é sem dúvida algo comum em nossas vidas avaliamos situações, pessoas, possibilidades e porque não a aprendizagem? Através da avaliação o ser humano encontra significado, constrói conceitos e realiza conclusões. Na aprendizagem também não é muito diferente.

Se avalia para alcançar objetivos, no processo de aprendizagem também há objetivos a serem alcançados como identificar dificuldades, conhecimentos prévios, verificar se a proposta de ensino é ideal para o aluno em questão e para compreender como o aluno aprende.

Para Jussara avaliação mediadora significa prestar atenção no aluno, conhecer suas dificuldades, reconhecer seus pontos fortes e os que precisam ser melhorados, para a educadora cada aluno é único. Segundo ela deve-se guiar o aluno procurando desafiar e leva-lo a conquistar autonomia moral e intelectual.

Segundo Luckesi citado por Libâneo (1991; p.1996) “a avaliação é uma apreciação qualitativa sobre dados relevantes do processo de ensino e aprendizagem que auxilia o professor a tomar decisões sobre o seu trabalho.”

Para GOLIAS (1995; p90) a avaliação é “entendida como um processo dinâmico, continuo e sistemático que acompanha o desenrolar do ato educativo”.

Segundo Jussara Hoffman, nós avaliamos para melhorar nossas ações ou para encontrar resultados, de acordo com a educadora “corrigir não é avaliar, interpretar é avaliar”. Segundo a mesma os cursos de pedagogia deixa a desejar quanto ao estudo da avaliação.

[…] tem a função de exame, pois valoriza os aspectos cognitivos com
ênfase na memorização; a verificação dos resultados se dá através
de provas orais ou escritas, nos quais, os alunos devem reproduzir
exatamente aquilo que lhe foi ensinado. A tradição dos exames
escolares que conhecemos hoje, em nossas escolas, foi
sistematizada nos séculos XVI e XVII, com as configurações da
atividade pedagógica produzida pelos padres Jesuítas (séc. XVI) e
pelo Bispo John Amós Comênio (fim do séc. XVI e primeira metade
do séc. XVII). (LUCKESI, 2003, p.16).

Mediação

Mediação significa um estado de alerta permanente do professor que acompanha e estuda a história da criança em seu processo de . Entendida dessa forma, a avaliação mediadora é um processo espontâneo sem ser espontaneísta. Ou seja, é espontâneo à medida que admira cada criança em suas manifestações diversas e singulares do dia a dia. Não um processo espontaneísta, uma vez que essa admiração e respeito se fundamentam em premissas teóricas consistentes sobre a construção do conhecimento e na definição de objetivos significativos que Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 25, n. 3, p. 56-78, set./dez. 201 70 embasem a observação, a reflexão e a ação pedagógica (HOFFMANN, 2012).

A Educadora aponta que para que seja possível se realizar uma avaliação mediadora o professor deve observar, identificar e conhecer seu aluno e deixa claro que sem conhecer as suas dificuldades e como ele aprende não é possível atender as necessidades de aprendizagem que cada aluno têm.

Frases de Jussara Hoffmann

A educação escolar hoje só faz sentido, se tiver o intuito de buscar caminhos, para melhorar a aprendizagem.

Avaliar para promover a aprendizagem, Avaliar é uma ação que se projeta no futuro, embasada em princípios éticos de respeito as diferenças.

O papel do avaliador ativo, em termos de processo, transforma-se no de partícipe do sucesso ou fracasso dos alunos, uma vez
que os percursos individuais serão mais ou menos favorecidos a partir das suas decisões pedagógicas que dependerão,
igualmente, da amplitude das observações (HOFFMANN, 2011, p.17)

Referências Bibliográficas: