John Dewey

Nascido em 20 de outubro de 1859 em Burlington Vermont. Na infância teve o apoio  de sua mãe  em seus estudos, graduou-se na Universidade de Vermont,  teve como  interesse de estudos  a psicologia, filosofia e pedagogia;  participou do liberalismo britânico que hoje é chamado de liberalismo social e sua filosofia dá importância para o desenvolvimento individual  e a auto realização.

Foi fundador da escola filosófica do pragmatismo. É representante do movimento de educação progressiva, defendia que o ensino realizado em sala de aula é eficaz quando associado a prática dos alunos, tornando possível a união da teoria e prática e que a aprendizagem ocorre a longo prazo e na troca de experiências. Tinha como objetivo a educação no sentido integral da criança.

Dewey dava importância a capacidade de pensar dos alunos e em fornecer  oportunidade para realizar suas próprias descobertas e resolução de problemas. Para ele o pensamento não existe isolado da ação. 

Suas ideias motivaram o movimento de educação no Brasil na década de 1930, as quais são valorizadas até hoje.

Ele defendia que cabe ao professor estimular e promover um ambiente favorável à aprendizagem. 

John Dewey morreu em 1952 aos 92 anos, deixando um legado de muitas contribuições para a educação. Na teoria da  escola nova o autor apresentou uma proposta onde o modelo de ensino e aprendizado deve ser focado no aluno e que seu conhecimento prévio deve ser valorizado.

Dewey pertence a tendência liberal renovadora progressiva, onde o papel da escola é adequar as necessidades individuais ao meio social. Os conteúdos são estabelecidos a partir das experiências vividas pelos alunos frente as situações problemas, e o método é a solução de problemas.

O professor é auxiliador no desenvolvimento livre da criança e a aprendizagem é baseada na motivação e estimulação do problema.

Frases de John Dewey:

“Cada pensador coloca alguma parcela de um mundo aparentemente estável em perigo, e ninguém pode totalmente prever o que vai emergir em seu lugar.”

“Os homens nunca usaram totalmente os poderes que possuem para promover o bem, porque esperam que algum poder externo faça o trabalho pelo qual são responsáveis.”

“Aprender? Certamente mas, primeiro, viver e aprender pela vida, na vida.”

“Aprendemos quando compartilhamos experiências.”

Referências Bibliográficas :